terça-feira, outubro 24, 2006

desencanto

há muito
que não vejo a vida
com olhos de menino

não foi a vida
que passou com certa urgência
quem me deixou assim
tão amargo.

talvez os sonhos que sonhei,
talvez as palavras que não ousei.

sei lá...

© Ademir Antonio Bacca
do livro “Plano de Vôo”

4 comentários:

além mar peixe voador disse...

Que delícia esta leitura despe-te neste livro?
Um enorme abraço,
tua leitura e amiga,
virgínia

Gardenia disse...

Parabens! gosto do seu estilo...da forma breve que escreve e que diz muito...beijos e muita inspiração

vαℓéя!α tαяeℓhσ disse...

"desencanteorias"
valéria tarelho

não sei
se o ser cinza-démodé
que me tornei
foi modelado às cegas
pelas mãos tiranas
da [im]pressão do tempo

ou se é produto
dos dedos trêmulos
de criança frustrada
cuja infância [doída]
foi toda ilustrada
em branco e preto

há muito
tento entender
o te[rr]or do tédio

contido na garatuja [fumê]
que me forja

e ofusca


~> "improvinspirado" aqui e agora, enquanto me embevecia com seu desencanto.

beijo, meu encanto e admiração que se renovam a cada [re]leitura.

Lu Oliveira disse...

Um poema forte e suave ao mesmo tempo.
Muito bom te ler, poeta!
Parabéns!
Um cheiro de cravo e canela...
Lu Oliveira