terça-feira, junho 24, 2008

VIGÍLIAS

© Jade Dantas

Queria entender-se nas noites serenas onde as lembranças que lhe pousavam na pele eram carícias de ondas tranqüilas à beira-mar.
Sono doce de algodão, ausente o desalento das outras noites de mar revolto, as lembranças galopando pelo corpo, traçando uma rota de fogo e desejo que nenhum outro corpo, nenhum outro abraço, nenhum outro beijo, conseguiria acalmar.
Queria entender o segredo das fragilidades.

(do livro “Pelo Avesso”)

4 comentários:

Ricardo Mainieri disse...

Jade, minha querida amiga "da terra do frevo e do maracatú", parabéns pelo belo poema e pela publicação.


Abração.

Ricardo Mainieri

SAM disse...

Belíssimo texto poético, onde se extrai todo o sentimento que vasa das palavras, tocando a nossa sensibilidade emotiva. Parabéns!

Grande beijo

verluci disse...

...
nenhum outro abraço,
nenhum outro beijo,
conseguiria acalmar.

Lindo!
Abraço

Andrea Lucia disse...

Belíssmo texto!
Amei!!
Beijos,
Andrea.