segunda-feira, agosto 14, 2006

da hora

rever os erros
mostrar as feridas
abrir gavetas
soltar os bichos
e acertar as contas
com os fantasmas
escondidos no armário

rever a vida
esquecer os medos
negar tantas vezes
quanto necessário
os amores ingratos

rever os sonhos
exibir as marcas
fechar as portas
soltar de vez o grito
e depois dormir em paz

© Ademir Antonio Bacca

3 comentários:

angel disse...

Ademir, teu blog é lindíssimo e
a homenagem
ao Mário Quintana me
emocionou muito, pois também
tive a honra de conhece-lo.
dorei tudo por aqui! Teus fractais
também são maravilhosos. Parabéns!
Grande beijo!

Ana Wagner

Rejane Romani Rech disse...

Ade,
Que bom seria se depois dessa reflexão toda pudéssemos dormir em paz.
Tu andas muito inspirado,poeta.
Abraço
Rejane

Marisa Marina disse...

Meu tempo é seu!É gratificante ter um poeta , de sua dimensão , falando o que eu quiz e nunca poude dizer. Voce brinca com as palavras sérias, com entonação de romantismo, fazendo conexão direta com as coisas da vida , do cotidiano, deixando um rastro por onde já passamos ou vivemos.Meu querido amigo e poeta preferido, quero sempre ter o prazer de saborear seu versos. Abração e obrigada!

Marisa Marina.