quinta-feira, março 16, 2006

nós


essa coisa
que há em nós

busca que não cessa
palavra que não sacia

esperança que a gente tece
teimosamente
todos os dias

essa coisa
que há em nós

bálsamo para tantas dores
que a gente acostumou
e nem mais sente

força estranha
que há em nós
em nos leva pelas ruas
em busca dessas coisas todas
que na madrugada
desatam nossos nós.


® Ademir Antonio Bacca
do livro “Plano de Vôo”

3 comentários:

Anônimo disse...

Belíssimo poema! Começo a pensar nessa tal "força estranha" que nos lança para "vôos" inimagináveis...
Um grande beijo,
Loana Rios

Maríndia Becker disse...

Adorei!!!
Sempre estamos a procura da concretização de nossos sonhos, a esperança nunca pode morrer, devemos sim transpô-la ir além dela, vencer nossas limitações e voar rumo ao infinito...
Um grande beijo em seu coração.

Maríndia Becker

solfirmino disse...

Lembrou-me Chico Buarque:

"...Éramos nós

Estreitos nós..."

Mas para os nós-substantivos, nada melhor que os nós-pronomes para desatar.