quarta-feira, janeiro 02, 2008

não tão frágeis

na mesa do prazer
nem todas as taças
são de cristal

algumas paixões
são duras de se quebrar.

© Ademir Antonio Bacca
do livro: “Grito por dentro das palavras”

4 comentários:

Claudia Lins disse...

Que lindo!!!!
Bjs

Diana Pilatti disse...

Amigo poeta, me identifiquei com seus versos... tento quebrá-las, mas não consigo... abraços

Ricardo Mainieri disse...

Assim como os amores, as taças podem ser de vidro...
Digo algo paecido em um antigo poema :

Eu/frágil cristal/balançando ao vento/a soprar potente.
Eu/impotente/contra fantasmas/que enfeitam meu coração.

Abraço.

Ricardo Mainieri

SAM disse...

Maravilha de versos, Ademir!

Hoje estou acamada e colocando em dia as boas leituras. De cabo a rabo, vou me deliciando no seu blog.


Abraço