terça-feira, janeiro 11, 2011

das trocas

não troco
minhas dúvidas
pelas tuas certezas
nem minhas fantasias
pela tua realidade
mas troco
o mar dos teus olhos
pelo cais do meu corpo.

© Ademir Antonio Bacca
de “”Poesia do Brasil” – Volume 12

10 comentários:

zahiapoetabahia disse...

a poesia, ancora amores, naufraga dores e permite um erguer constante de vozes libertarias.
Zahiapoetabahia.

Jade disse...

Belíssimo, Bacca.
Mas você sempre é um poeta maravilhoso.
Beijo,
Jade

Ricardo Alfaya disse...

Òtimo poema, Ademir.

Anônimo disse...

Gostei muito dos seus poemas, especialmente o DAS TROCAS. A metáfora do mar é linda! Esse é o dilema da realidade: quem ama precisa também, de realidade.
Um abraço
Celi Luz

evandro mattana disse...

Maravilhosa esta poesia. Soa como o vento brando em uma montanha nua. Mattana

anita disse...

Poesia sensível e de qualidade.
Ademir, selecione algumas poesias
e envie para a editora da Tribo:
artes@livrodatribo.com.br
Estão selecionando até março para a edição de 2012 da agenda poética.

www.livrodatribo.com.br

Bjs.

anita disse...

Poesia sensível e de qualidade.
Ademir, selecione algumas poesias
e envie para a editora da Tribo:
artes@livrodatribo.com.br
Estão selecionando até março para a edição de 2012 da agenda poética.

www.livrodatribo.com.br

Bjs.

Ricardo Mainieri disse...

Essa poesia lírica ficou ótima.
O efeito final dos dois últimos versos, fechou com chave de outo.

PS: Recebeste a Agenda?

Abraço.

Ricardo Mainieri

nalva kuhn disse...

Maravilhosa!

Anônimo disse...

Oi Bacca
Tô lendo com calma e adorando.
Este "das trocas" é de doer a alma.
Um beijo e bom início de semana