segunda-feira, maio 10, 2010

daquilo que importa

não importa o prato na mesa,
se ele não te saciar a mais íntima
de todas as fomes

não importa a poesia,
se ela não te abrir as janelas da vida
todos os dias

não importa a ponte,
se ela só te levar
até o outro lado do rio

não importa a palavra,
se ela só te consolar
no meio da rua

não importa a vida,
se ela é só armadilha

importa sim, o amor
mesmo que,
de vez em quando,
ele mate

© Ademir Antonio Bacca
in “Poesia do Brasil – volume 10”

8 comentários:

Efigênia Coutinho disse...

Olá Ademir, recebo seu convite e aqui de New York, venho ler sua boa poesia.
Gostei muito destes versos lidos aqui,
meus cumprimentos,
Efigenia Coutinho

walnelia disse...

Querido Ademir,é sempre muito bom ler e apreciar teu Blog.
Já comecei lendo e comentando pois este poema aqui,é maravilhoso!!
Um abraço,
Walnélia

Renato Baptista disse...

Ademir...

Morre de amor
Ah, esse morrer doce
Passagem enlouquecida
Adornada por versos
Que constroem poesia
Poemas paixão, eternizados
Sem feridas, sem cicatrizes
Poemas de amor que fica.

Abraços* amigo
Fica meu convite para que conheça:
academiadapoesia.blogspot.com
poeminiseimagens.blogspot.com
escrevendocomarte.blogspot.com

Nalva Kuhn disse...

Caro Poeta,

Cada vez que você atualiza o seu blog, nos presenteia com perólas maravilhosas.

Obrigada por compartilhar.

Abraços

Ricardo Mainieri disse...

A vida sem paixão é uma meia-vida.
A possibilidade de ir além do cotidiano cinzento só é possível com uma dose de afeto.
Belo poema1

Abraço.

Ricardo Mainieri

Paola Caumo disse...

Oi Bacca!
Saudades! Belíssimo poema!
Estou voltando a escrever. Visite meu blog: wwww.paolacaumo.blogspot.com
Beijos meus

Ana Kalil disse...

Você soube se expressar com as palavras...li e reli este poema.
Parabéns!

Débora Novaes de Castro disse...

Sim, Ademir, o que importa mesmo é o amor, o sacrosanto e divino amor! Já disse o poeta que "só pelo amor vale a vida" e Ademir A. Bacca canta o AMOR com maestria e paixão.