quarta-feira, março 28, 2012


Millôr Fernandes
1923 – 2012

O Brasil perdeu, na noite de terça-feira (27), uma das suas maiores expressões literárias de todos os tempos. Aos 88 anos morreu, na cidade do Rio de Janeiro, o desenhista, jornalista, dramaturgo e escritor Millôr Fernandes.
Em 1938, aos 14 anos, Millôr entrou no Liceu de Artes e Ofícios e começou a trabalhar profissionalmente na revista "O Cruzeiro". Naquele momento, se tornaria um dos principais nomes do jornalismo e das artes no Brasil. Foi também um dos criadores do jornal "PifPaf". Apesar de ter durado apenas oito edições, considera-se que a publicação deu início à imprensa alternativa no Brasil. Ele foi ainda um dos colaboradores de "O Pasquim", reconhecido por seu papel de oposição ao regime militar.
Com diversas aptidões para o desenho, a prosa, a poesia, o teatro, a literatura e a tradução (de Shakespeare, Molière, Sófocles, Bernard Shaw), também escreveu peças célebres como "Liberdade, Liberdade" (1965), em parceria com Flávio Rangel, e que se tornou uma das obras pioneiras do teatro de resistência ao regime militar.
Publicou mais de 50 livros a partir de 1946, boa parte compilando textos humorísticos e desenhos feitos para a imprensa e escreveu mais de dez roteiros para o cinema.
Pioneiro na internet entre as personalidades brasileiras, seu site foi inaugurado em 2.000 e segue no ar até hoje.

3 comentários:

Nabel Braz disse...

Grande ausência entre as nossas estrelas.

Abraços de luz

Cilegal disse...

Pois é, nós Brasileiros ficamos cada vez mais pobres em literatura nesse país falecendo grandes nomes! Mas faz parte! Suas obras continuam a nos fascinar!
Abraços.

Anônimo disse...

Inevitavelmente cada um de nos, vai partir um dia. A vida é assim feita.

O que nos compete, é guardar na memoria e divulgar a obra dos grandes vultos que nos precederam.

"O homem... morre, mas a sua obra fica!"

Que sejamos nos, dignos sucessores.

A familia, aos amigos, aos escritores e gente do ambito cultural do Brasil, os meus sentidos Pesâmes.

L.